Blog da Eduvir

Consumidor que reflete antes da compra diminui impactos negativos na natureza

                As 6 Perguntas do Consumo Consciente, do Instituto Akatu, ajudam na reflexão antes,             durante e após o ato da compra O consumidor tem um grande poder em mãos, embora nem sempre tenha consciência disso. Por meio de suas escolhas cotidianas, ele pode contribuir para reduzir os impactos negativos no meio ambiente, na economia, na sociedade e no seu próprio bem-estar. Consumir apenas o suficiente possibilitará que haja recursos naturais para todos e para sempre. O planeta não consegue regenerar os seus recursos naturais na mesma velocidade de nossas demandas. Com o crescimento da população e dos níveis de consumo, o Banco Mundial estima que em 2050 serão necessárias quase três Terras para dar conta das demandas do nosso estilo atual de vida. Por isso, o Instituto Akatu, no Dia do Meio Ambiente (5/6), divulga as 6 Perguntas do Consumo Consciente, que ajudam o consumidor a refletir antes e depois de fazer uma compra. Confira o material a seguir: POR QUE COMPRAR? A prática do consumo consciente começa com a análise da necessidade do produto ou do serviço que se vai consumir. Por que comprar? Eu realmente preciso comprar ou estou sendo levado pelo impulso do momento? Preciso comprar mais ou já tenho o suficiente? Somos bombardeados diariamente com propagandas e promoções, que nos induzem ao consumo. Mas é preciso pensar sobre o que motiva essa compra: uma real necessidade ou um desejo irracional? Antes de fazer a compra, pense se há alternativas a ela, como reaproveitar algo que já tenha em casa, fazer uma troca com alguém, pegar um item emprestado ou reformar algo que você já tem....

Feliz dia do profissional de RH

Tempo não é algo sobrando nessa área, que combina Gente e Gestão A área de Recursos Humanos não é apenas recrutamento e seleção ou administração de pessoal. Esta é sim parte importante do trabalho, mas um olhar mais atento percebe que o grande valor que a área agrega é cuidar dos recursos mais importantes da organização: as pessoas. É interessante a nossa tendência de simplificar, uma metonímia organizacional. Marketing cuida de comunicação. Finanças da contabilidade. E RH? Cuida do recrutamento de pessoas. Mas e depois que elas já estão na organização? Durante essa pandemia, como consultora que lida com muitas empresas e vários profissionais da área, tive a oportunidade de observar muito do trabalho “dos bastidores”. E, neste dia do profissional de recursos humanos, quis homenageá-los, trazendo-os para a frente dos holofotes. Tempo não é algo sobrando nessa área, que combina Gente e Gestão. Todos os processos para viabilizar a continuidade da operação e para cuidar dos funcionários passam por lá. Da migração do escritório para o home office, integrando a área de TI para viabilizar os equipamentos, sistemas e outros recursos à renegociação com os planos de saúde para incluir telemedicina e cobertura para testagem e vacinação, passando pelos planos de contingência para pessoas que adoeceram, ou perderam entes queridos, ou para substituir em plena pandemia a perda de funcionários, seja por necessidades financeiras da empresa, seja pelo falecimento de funcionários. Durante a pandemia, o grau de engajamento dessas equipes teve que garantir muito mais do que a realização dos processos. Foram responsáveis pela elaboração de cenários de corte de pessoal, cenários da volta total e parcial, administração de...

Reflexões sobre a Longevidade

Devido ao meu interesse no tema longevidade, escrevi um post em 2016 sobre o livro “The 100-Year Life – Living and Working in an Age of Longevity”, recém-lançado na época pelos Professores Lynda Gratton e Andrew Scott, da London Business School. Os dados demográficos indicam que estamos frente a um panorama que torna bem concreta a questão da longevidade. Um estudo do BNDES aponta que a parcela da população acima de 60 anos está crescendo em um ritmo mais acelerado do que qualquer outro grupo etário. Além disso, projeta-se que, em 2050, o percentual da população mundial acima de 60 anos ultrapasse o de jovens de até 14 anos. No Brasil, esta transição deve ocorrer ainda mais cedo, em 2030. Espera-se ainda que, entre 2015 e 2030, o grupo de idosos acima de 85 anos aumentará em um ritmo maior do que a população entre 0 e 60 anos. E como vamos lidar com essas questões? Em seu novo livro sobre o tema, “The New Long Life: A Framework for Flourishing in a Changing World”, lançado em maio de 2020, os autores afirmam que a combinação entre tecnologia e longevidade leva a muitas questões sobre a carreira, não fazendo mais sentido pensarmos a vida dividida em três fases: estudar, trabalhar e se aposentar. Precisamos de novos pressupostos e os autores nos sugerem três ações fundamentais (“pedras-de-toque”, em inglês, touchstones): Narrar (Contar): navegar minha trajetória de vida. Criar uma narrativa, uma história, que confira significado à nossa vida e ajude na navegação pelas escolhas que fazemos, considerando que a longevidade aumenta a duração da vida e as rupturas tecnológicas criam...

Por que apostar nos treinamentos corporativos a distância?

Um dos desafios enfrentados pelos gestores é manter a equipe alinhada com o propósito da empresa e transmitir o conhecimento adequado sobre uma determinada tarefa, ainda mais em tempos de distanciamento social como este que estamos vivendo atualmente. Na minha visão, os empreendedores já entenderam a necessidade de aplicar atividades para capacitar seus profissionais e melhorar o desempenho da organização. E nesse caso, os treinamentos corporativos a distância têm sido muito utilizados, principalmente por serem simples, efetivos e de menor custo. No período em que nossas atividades estavam normais, realizar um treinamento presencial já demandava tempo de deslocamento, altos custos de locomoção, espaço, despesa com viagens e transportes, materiais didáticos impressos, entre outros. Acredito que com a atual situação da economia no país, o investimento em treinamento a distância será cada vez mais presente na vida dos colaboradores, isso porque, além de econômico, são duradouros e pode ser acessado várias vezes, independente do local e horário, já que os materiais ficam disponíveis em uma plataforma digital. Por meio da tecnologia, os gestores conseguem identificar mais facilmente as principais dificuldades enfrentadas pela equipe, dúvidas frequentes e onde podem melhorar. Isso permite que seja desenvolvido uma série de ações que vão atender as reais necessidades da empresa, proporcionando resultados mais qualificados para ambos os lados, além de auxiliar na alta performance dos funcionários. Mesmo diante de tantas vantagens, alguns empreendedores ainda se sentem receosos em utilizar essas ferramentas porque acreditam que não vão conseguir atingir o resultado esperado, ou que a produtividade da equipe irá diminuir e até mesmo acham que esse tempo poderia ser destinado para executar as tarefas diárias....

Orientações para uma conference call

Dicas para uma boa videoconferência. Acompanhe. Preparação Certifique-se previamente de que todos os equipamentos estão conectados adequadamente e com bateria suficiente para durar por toda a conferência. Faça todos os ajustes e testes necessários previamente. Os minutos iniciais de uma videoconferência não devem ser gastos com testes de imagem, voz e tela. Conforto Seus requisitos mínimos de conforto devem ser checados e supridos antes do início da conferência. Assim, deixe café e água à mão e assuma uma postura satisfatória. Esses cuidados são válidos porque você deve evitar a máximo sair de cena durante uma reunião ou interrompê-la para resolver esse tipo de coisa. Boas maneiras Como uma videoconferência é uma forma diferente de interação, conta com algumas regras de convivência que tornam seu andamento mais harmonioso para todos os envolvidos. Não estamos falando em seguir normas rígidas, que vieram de algum livro empoeirado, como os manuais de etiqueta de antigamente, mas de ter bom senso e preocupação com a experiência das outras pessoas. Confira: ao liderar uma chamada, aguarde todos entrarem na conferência em silêncio. Quando todos estiverem presentes, inicie a reunião se apresentando e expondo o assunto; ao participar de uma chamada, mantenha-se em silêncio durante a exposição de outras pessoas; seja objetivo ao expor suas ideias. Para tanto, é importante uma boa preparação e conhecimento sobre o assunto; tenha cuidado com ruídos externos. Os erros que não podem acontecer durante a conferência Com microfones bastante sensíveis, uma transmissão em vídeo acaba captando tudo o que ocorre na sala de conferência. Assim, vale a pena tomar alguns cuidados, como não comer e beber nem mascar chicletes durante...

Sua Nova Marca no Novo Normal

Os 9 fatores críticos da transformação para a volta da quarentena. Vai mudar. Até o fim da pandemia, o que qualquer marca oferece vai passar por uma metamorfose. Ainda não sabemos o que exatamente vai ser esse novo normal, mas algumas ações podem ajudar em qualquer cenário. Seguir os 9 passos é construir a base para – respeitando as recomendações de distanciamento – entregar ao Cliente o melhor que a sua marca pode ser. Equipe Garanta que só faça parte da sua equipe quem você contrataria de novo. O time tem a força dos mais fortes e a fraqueza dos mais fracos. Não são tempos de desperdício e o maior desperdício é investir em quem não é muito bom e muito esforçado. Os bons não esforçados e os não bons não esforçados só exaurem a energia do líder e da equipe. Selecione. Mantenha quem ajuda sua marca a construir respeito, reputação, relacionamento e resultado. Cultura Reforce todos os combinados antes de voltar à ativa. Comece já. Cheque com todos que constroem sua marca se estão claros os pontos da sua cultura. Se ela não estiver explícita para todos, reconstrua a cultura com todos e para todos que possam ajudar a marca a evoluir. Escreva um manifesto que inspire a cultura e faça com que ela chegue a todos através do seu exemplo. Liderança Mais que nunca ouça a sua equipe. Ela vai ser a grande aliada de construção do futuro da sua marca. Eles sabem muito sobre a conexão dela com os Clientes. Com certeza eles serão os primeiros conectores da sua marca com os Clientes. Construa cada próximo...

Gerenciando equipes remotas e aumentando a colaboração entre funcionários

Como gerenciar equipes remotas? Para gerenciar equipes remotas de maneira efetiva você precisará das ferramentas certas, de uma atitude engajada e comprometida, junto a alguns princípios fundamentais. Vejamos os principais pontos a seguir: Incentive a transparência Uma comunicação transparente é o primeiro passo para que você consiga gerenciar equipes, tanto em um local físico quanto remotamente. Porém, quando os funcionários então em lugares diferentes e distantes, isso se torna uma tarefa um pouco mais complicada. Como líder, o seu time irá se espelhar em você. Então, tenha certeza de se comunicar de forma aberta para que seus colaboradores façam o mesmo. Uma medida muito importante para que isso seja garantido é reforçar sua humanidade e presença: mostrar o rosto por meio de videoconferências contribuirá para torná-lo mais presente e transparente. Pesquisas mostram que a maioria dos colaboradores se sentem mais conectados quando o vídeo está disponível (falaremos mais sobre isso adiante). Ainda que estejam em lugares remotos, para que o gerenciamento seja eficiente, sua equipe deve ser informada de tudo o que está acontecendo na empresa. A distância não pode impedir que se sintam parte da organização. Além disso, é importante que você: Faça com que os papéis e as responsabilidades de todos estejam sempre claros; Não hesite em discutir preocupações e expectativas com frequência. Além disso, as metas devem sempre estar bem definidas; Acompanhe atentamente os projetos e o desempenho da sua equipe por meio de ferramentas de gerenciamento de trabalho; Ainda que trabalhem em casa, funcionários devem seguir horas de trabalho, bem como feriados. O calendário deve estar bem planejado e definido; Nessa situação reuniões são ainda...

Conference Call já é uma realidade nas empresas

Em tempos de home office a conference call já é uma realidade para empresas dos mais variados portes, por significar uma opção eficaz às reuniões presenciais, permitindo que conferências aconteçam sem que haja deslocamento dos envolvidos. Trata-se de uma solução que só traz benefícios por otimizar a comunicação da empresa com seus funcionários e com parceiros externos, sejam eles clientes ou fornecedores. Contar com a possibilidade de ter uma conferência em tempo real com parceiros dos locais mais variados e usando apenas seu smartphone pode ser um diferencial competitivo para sua companhia. Para que você saiba mais sobre o assunto, selecionamos e adaptamos este artigo para que você possa entender como é fundamental essa ferramenta nesse momento para a sua empresa, seus principais benefícios, as melhores práticas e, o mais importante, vai saber como implementá-la com sucesso. Boa leitura! Conference call é um nome geral pelo qual são conhecidas todas as chamadas — via telefone ou internet — das quais participam três pessoas ou mais. Entre as possibilidades de conferências, temos a audioconferência, a teleconferência e a videoconferência. Audioconferência: ocorre por áudio e pode usar linha telefônica, VoIP ou internet. Trata-se de uma ótima opção para reuniões a distância nos casos de uma das partes não contar com uma internet veloz. Como fazer uma boa reunião virtual? Não adianta contar com toda essa tecnologia e com um ambiente inteiramente adaptado para teleconferências se as reuniões não forem bem planejadas e conduzidas. Além de algumas orientações gerais, que servem para qualquer reunião, virtual ou não, existem outras que se aplicam especificamente a videoconferências. Vamos a elas. Orientações gerais Embora estas...

Como a Covid-19 chegará ao fim?

O coronavírus estará fadado a ocupar o seu lugar na longa lista de pandemias superadas pela humanidade ao longo da História. O jornal americano The New York Times trouxe uma discussão interessante em edição recente: quando as pandemias chegam ao fim? Segundo historiadores e estudiosos, elas costumam acabar de duas formas: ou quando a enfermidade é derrotada por uma cura ou quando a população se cansa de temer a doença e passa a conviver com ela. “Quando as pessoas perguntam ‘quando isto terminará?’, elas estão se referindo ao fim social”, afirmou o historiador de Medicina Jeremy Greene. Allan Brandt, historiador da Universidade de Harvard, endossa o discurso. “Muitas perguntas sobre o fim da epidemia são determinadas por processos sociopolíticos”, declarou. Susan Murray, do Royal College of Surgeons de Dublin, em artigo para o prestigiado The New England Journal of Medicine, relembra do temor dos irlandeses diante dos casos de ebola no continente africano em 2014, apesar de nenhum caso ter sido registrado na Irlanda. “Se não estamos preparados para lutar contra o medo e a ignorância de modo tão ativo e racional como combatemos qualquer outro vírus, é possível que o medo cause danos terríveis a pessoa vulneráveis”, sentenciou. Especialistas listam epidemias que atravessaram a História, como a Praga de Justiniano no século VI, a medieval no século XIV, a Gripe Espanhola no século XIX e a H1N1, mais recentemente, no século XXI, para especular se a desistência social não pode ser um dos caminhos que levará a Covid-19 ao fim, já que uma vacina não está prevista para menos de um ano. Até lá, mais gente estará imune,...

Yoga do Riso

No início de maio, participei de um encontro virtual de três dias sobre a técnica do Yoga do Riso. Antes de falar sobre o evento e explicar o que é o Yoga do Riso, vou contar como me interessei pelo assunto. Há alguns anos, quando estava fazendo uma pesquisa sobre humor, estresse e bem-estar, li uma reportagem sobre o Dr. Madan Kataria – médico indiano que havia desenvolvido uma metodologia para praticar o riso como exercício, batizando o método de Yoga do Riso. No final do ano passado, quando resolvi conhecer a Índia, resgatei a reportagem que havia guardado e voltei a pesquisar o tema. Como a minha viagem duraria apenas 17 dias, eu não teria tempo de fazer um curso na escola do Dr. Madan Kataria. Mas descobri no Brasil o Instituto de Yoga do Riso, coordenado por Sandro Lobo, formado pela Escola do Riso de Portugal e credenciado pela Laughter Yoga University na Índia, do Dr. Madan Kataria. Agora vamos falar sobre o que eu aprendi nesse encontro virtual (II Semana do Yoga do Rio Online). O Yoga do Riso é a combinação de exercícios do riso com as técnicas de respiração do yoga (Pranayama). É um sistema de entrega de risadas permitindo que qualquer pessoa possa rir e praticar o riso como um exercício sem depender de humor, piadas ou comédia.  O riso falso é tão eficaz quanto o riso real. O corpo não consegue discernir entre os dois. Os neurotransmissores enviam os mesmos sinais e os mesmos hormônios são ativados e, quase sempre, o riso falso se transforma em riso real, o que realmente nos...