A Sessão Vai Começar – Oscar 2019

A Sessão Vai Começar – Oscar 2019

Existem várias premiações importantes na arte cinematográfica como o Globo de Ouro (EUA), Urso de Ouro (Berlin), Palma de Ouro (Cannes), Leão de Ouro (Veneza), BAFTA (British Academy Film Awards) e é claro o Oscar.

No dia 24 de fevereiro vamos poder assistir o Oscar 2019. Este ano são oito filmes concorrendo para ganhar a estatueta de melhor filme.

Tive a oportunidade de ver os oito e nesta sessão vou pontuar alguns temas que podem ser observados no nosso cotidiano tanto na vida profissional como pessoal.

Nasce Uma Estrela – Coaching, Superação, Foco, Persistência

Jackson Maine (Bradley Cooper) é um cantor no auge da sua carreira conhece Ally (Lady Gaga), uma insegura cantora que ganha a vida trabalhando em um restaurante. Jackson se encanta por Ally e descobre que ela tem muito talento ao cantar. Decide acolhê-la debaixo de suas asas. Ally ascende ao estrelato, Jackson vive uma crise pessoal e profissional devido aos problemas com o álcool.

Vice – Estratégia, Tomada de decisão, Competição, Determinação, Ética                                                                                                                                                                                                                                                                                  

Narra a história da carreira política do Dick Cheney (Christian Bale) desde a época que se aproximou do Partido Republicano ao ver na política uma grande oportunidade de ascender de vida. Quando George W. Bush (Sam Rockwell) resolve se lançar candidato à presidência, Cheney é chamado para assumir o posto de vice-presidente. Ele aceita, mas com a condição de ter amplo poder em todas as esferas do governo.

Infiltrados na Klan – Preconceito, Tolerância, Criatividade, Conflito, Desafios

Em 1978, Ron Stallworth (John David Washington), um policial negro do Colorado, conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan local. Ele se comunicava com os outros membros do grupo através de telefonemas e cartas, quando precisava estar fisicamente presente enviava um outro policial branco no seu lugar. Depois de meses de investigação, Ron se tornou o líder da seita, sendo responsável por sabotar uma série de linchamentos e outros crimes de ódio orquestrados pelos racistas.

A Favorita – Conflitos, Poder, Negociação

Na Inglaterra do século XVIII, Sarah Churchill, a Duquesa de Marlborough (Rachel Weisz) exerce sua influência na corte como confidente, conselheira e amante secreta da Rainha Ana (Olivia Colman). Seu posto privilegiado, no entanto, é ameaçado pela chegada de Abigail (Emma Stone), nova criada que logo se torna a queridinha da majestade e agarra com unhas e dentes a oportunidade única.

Bohemian Rhapsody – Desafios, Persistência, Criatividade, Equipes

Freddie Mercury (Rami Malek) e seus companheiros Brian May (Gwilyn Lee), Roger Taylor (Ben Hardy) e John Deacon (Joseph Mazzello) mudam o mundo da música para sempre ao formar a banda Queen, durante a década de 1970. Porém, quando o estilo de vida extravagante de Mercury começa a sair do controle, a banda tem que enfrentar o desafio de conciliar a fama e o sucesso com suas vidas pessoais cada vez mais complicadas.

“Green Book” – O Guia – Preconceito, Diversidade, Tolerância, Relações Humanas, Superação de Obstáculos

Tony Lip (Viggo Mortensen), segurança da boate Copacabana em Nova York fica desempregado e é contratado como motorista do Dr. Don Shirley (Mahershala Ali), um pianista negro de classe alta que vai fazer uma turnê pelo sul dos Estados Unidos. Eles devem seguir o “Green Book” – O Guia pois a história se passas nos anos 60. O Guia indica estabelecimentos que eram seguros para os afro-americanos. Confrontados com o racismo e situações perigosas eles são forçados a deixar de lado as diferenças para sobreviver e prosperar nessa jornada.

Pantera Negra – Liderança, Conflitos, Ética, Valores, Inteligência Artificial

Pantera Negra é um filme de super-herói baseado no personagem da Marvel Comics. Após a morte do rei T’Chaka (John Kani), o príncipe T’Challa (Chadwick Boseman) retorna a Wakanda para a cerimônia de coroação. Nela são reunidas as cinco tribos que compõem o reino, sendo que uma delas, os Jabari, não apoia o atual governo. T’Challa logo recebe o apoio de Okoye, a chefe da guarda de Wakanda, da irmã Shur  que coordena a área tecnológica do reino, e também de Nakia (Lupita Nyong’o),  grande paixão do atual Pantera Negra. Juntos, eles estão à procura de Ulysses Klaue que roubou de Wakanda um punhado de vibranium um metal raro no mundo.

 

 

Roma – Diversidade, Conflitos, Reconhecimento

A história retrata a vida de Cleo (Yalitza Aparicio), empregada doméstica de uma família de um bairro de classe média da Cidade do México chamado Roma. Em uma declaração de amor às mulheres que o criaram, Cuarón o diretor se inspira na própria infância para traçar um retrato real e comovente dos conflitos domésticos e da hierarquia social durante as turbulências políticas dos anos 70.

Agora é só esperar para ver quem será o ganhador!

Até a próxima Sessão!

A Sessão Vai Começar – A Nossa Espera

A Sessão Vai Começar – A Nossa Espera

O filme “A Nossa Espera” narra a história de Olivier (Romain Duris) que é funcionário de uma fábrica onde ocupa o cargo de líder de equipe. Um dia, ele é surpreendido com o súbito desaparecimento de sua esposa, Laura. Sem saber o que aconteceu nem para onde ela foi, ele luta para alcançar um equilíbrio com seus filhos e no trabalho enquanto espera a volta de Laura.

No ano passado o Fórum Econômico Mundial divulgou as dez habilidades necessárias para os profissionais que desejam se destacar no mercado de trabalho devido ao impacto da Inteligência Artificial.

A Inteligência Emocional é uma dessas dez habilidades. Já nas primeiras cenas do filme conseguimos ver Olivier como um homem comprometido com a sua equipe. Ele luta por seus colaboradores contra a gestão de Agath, um dos gerentes de recursos humanos que quer somente atingir os seus objetivos. Observamos Oliver utilizando a Inteligência Emocional.

Daniel Goleman é um dos nomes mais famosos do mundo quando se trata de Inteligência Emocional. Seu trabalho em habilidades de Inteligência Emocional está ligado muito frequentemente à habilidades de liderança e administração. O modelo de Goleman, baseia-se em cinco fatores essenciais que determinam a Inteligência Emocional de um indivíduo:

Autoconsciência Emocional: que é muito semelhante à habilidade que diz respeito à consciência dos próprios sentimentos e abrange uma apreciação de como esses sentimentos podem afetar os que nos rodeiam.

Autorregulação: preocupa-se em administrar as próprias emoções e prever seus efeitos.

Motivação: abrange o continuar quando encontrar obstáculos.

Empatia: a capacidade de entender as emoções dos outros.

Habilidades Sociais: o conjunto de habilidades sociais de Inteligência Emocional que nos ajudam a gerenciar nossos relacionamentos interpessoais.

“No mundo atual, não basta ser inteligente, esperto e preparado para competir. É preciso ter calma e empatia e persistir diante das frustrações para conseguir viver bem no amor, ser feliz com a família e vencer no mercado de trabalho.”

Daniel Goleman

Se viram o filme vão observar quanto a frase do Daniel Goleman se aplica a história do “A Nossa Espera”.

Se ainda não viram, fica a dica!

Dez coisas que pessoas genuinamente confiantes fazem de maneira diferente

Dez coisas que pessoas genuinamente confiantes fazem de maneira diferente

Um estudo recente na Universidade de Melbourne mostrou que pessoas confiantes ganham salários mais altos e são promovidas mais rapidamente do que qualquer outra pessoa.

De fato, pessoas confiantes têm um impacto profundo sobre os outros. No entanto, elas só conseguem porque são focadas e impulsionadas por alguns hábitos citados abaixo:

FALAM COM CONVICÇÃO

Pessoas confiantes falam com convicção porque sabem que é difícil fazer com que os outros escutem se não passarem suas ideias com firmeza.

PROCURAM AS PEQUENAS VITÓRIAS

Pessoas confiantes gostam de se desafiar e competir, mesmo quando seus esforços geram pequenas vitórias. As pequenas vitórias criam no cérebro uma reação química relacionada à recompensas e motivação. Aumenta a confiança e disposição para enfrentar desafios futuros.

 SE EXERCITAM

Um estudo realizado no ”Eastern Ontario Research Institute” descobriu que as pessoas que se exercitaram duas vezes por semana durante dez semanas se sentiram mais competentes social e acadêmicamente. A imagem pessoal e a autoestima encontra-se num patamar mais alto.

NÃO PROCURAM ATENÇÃO

 Pessoas confiantes sabem que ser você mesmo é muito mais eficaz do que tentar provar que você é importante. Quando recebem elogios por algo que realizaram rapidamente mudam o foco para todas as pessoas que trabalharam duro em ajudá-las a chegar lá.

NÃO JULGAM

As pessoas confiantes não julgam os outros porque sabem que todos têm algo a oferecer. Comparar-se com outras pessoas é limitante.

A FELICIDADE VEM DE DENTRO

 A felicidade é um elemento crítico de confiança pois é necessário ser feliz com você mesmo. As pessoas confiantes obtêm seu senso de prazer e satisfação de suas próprias realizações, ao contrário do que os outros pensam de suas realizações.

OUVEM MAIS DO QUE FALAM

As pessoas confiantes ouvem mais do que falam. Sabem que ao ouvir e prestar atenção aos outros é muito mais provável que aprendam e cresçam.

ASSUMEM RISCOS

Quando as pessoas confiantes veem uma oportunidade, elas aceitam. Em vez de se preocupar com o que poderia dar errado, elas se perguntam: “O que está me impedindo?” “Por que não posso fazer isso?” E elas fazem. O medo não as impede porque sabem que, se nunca tentarem, nunca terão sucesso.

NÃO TÊM MEDO DE ESTAREM ERRADAS

 Pessoas confiantes não têm medo de passar por situações onde erram. Aprendem muito com os erros. Sabem do que são capazes e não tratam o erro como um problema.

CELEBRAM OS SUCESSOS DOS OUTROS

As pessoas confiantes concentram-se nas situações externas, o que lhes permite ver todas as coisas maravilhosas que as outras pessoas fazem desta forma compartilhando o sucesso.

 

 

Fonte: Trechos do texto do Dr.Travis Bradberry publicado no ”Association for Talent Development Education Community”.

Traduzido e adaptado por Gilda Palhares.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Sessão Vai Começar – Retrospectiva 2018

A Sessão Vai Começar – Retrospectiva 2018

O final do ano é sempre um momento onde realizamos uma reflexão sobre os acontecimentos que ocorreram durante o ano. Vou finalizar a última sessão de 2018 como fiz em 2017 fazendo uma retrospectiva dos filmes apresentados e os temas abordados.

Lembrando que um filme nos leva a pensar sobre múltiplos temas. Os abaixo relacionados são pertinentes a algum conceito específico com foco nas organizações e no âmbito do bem-estar.

Janeiro – O Destino de Uma Nação. O tema abordado foi da Liderança Positiva.

Fevereiro – A Forma da Água que foi indicado ao Oscar 2018. Ganhou o Oscar de melhor filme e diretor. Conversamos sobre a Comunicação Não – Verbal.

Março – Filmes das atrizes candidatas ao Oscar 2018 para celebrar o “Dia Internacional da Mulher”. O foco do texto foi sobre as Emoções Positivas baseado no estudo da PhD Barbara Fredrickson especialista em Positividade da Universidade Carolina do Norte.

Abril – Um Lugar Silencioso – O tema exposto foi sobre a Habilidade de Ouvir.

Maio – Gringo – Apresentamos o tema da Ética Corporativa

Junho – A Busca do Chef Ducasse – Falamos sobre a questão da Liderança Transformadora.

Julho – Festival Varilux de Cinema – Abordamos o tema da dinâmica da Percepção e como ela influencia a Comunicação.

Agosto – Missão Impossível – Efeito Fallout”. O tema apresentado foi a Teoria da Autodeterminação (STD).

Setembro “Escobar: A Traição. Relacionamos o filme a ferramenta “Story Telling”.

Outubro – Ponto Cego. O olhar foi para Sentido dos Afetos pelo ponto de vista do filósofo do século XVII Baruch Espinoza.

Novembro – O Primeiro Homem – A intensão foi refletirmos sobre o tema “Positive Desruption” (Ruptura Positiva).

Caso desejem aprofundar-se nos temas as onze sessões encontram-se no blog da Eduvir.

 

Encerro esta sessão desejando um Maravilhoso 2019.

A Sessão Vai Começar – O Primeiro Homem

A Sessão Vai Começar – O Primeiro Homem

O filme O Primeiro Homem (First Man) conta a admirável história da missão da Nasa (agência espacial norte-americana) de levar o homem à Lua, tendo como personagem central: Neil Armstrong, o primeiro astronauta que pisou em solo lunar. O filme explora o sacrifício de Armstrong e dos Estados Unidos para levar adiante uma das missões mais perigosas da História. Para o próprio Armstrong e, em consequencia, para sua família, essa caminhada foi repleta de dificuldades físicas e emocionais. Ele estava fazendo um trabalho, é claro, mas que poderia matá-lo. Ele sabia disso, sua família sabia disso, seus colegas astronautas também sabiam disso, mas apesar desse risco ele não desistiu.

Graças ao êxito da missão Apolo 11, o homem caminhou na Lua há 49 anos. Ao fim de oito dias, os três astronautas da Apolo 11 (os outros dois que participaram da histórica viagem foram Michael Collins e Edwin “Buzz” Aldrian) retornaram à Terra em segurança. Para que essa meta fosse cumprida podemos dizer que foi necessário provocar um conceito chamado de Positive Desruption (Ruptura Positiva).

A Positive Desruption pode ser vista de várias formas:

  • Desafiar o status quo, para se tornar mais produtivo ou proativo no mercado
  • Desconsiderar medos e pessimismo, para trazer uma visão ou um novo produto à indústria
  • Investir mais plenamente nos colaboradores, para revigorar a força vital da empresa

A Positive Disruption permite uma mudança cultural, pois altera a maneira como pensamos, o nosso comportamento e a forma como fazemos negócios. Essa nova postura transforma o impossível em realidade. Em 20 de julho de 1969, o astronauta Neil Armstrong caminhou na Lua. Sua primeira declaração foi: “Este é um pequeno passo para o homem, mas um salto gigantesco para a humanidade”. O professor da Harvard Business School e fundador da The Clayton Christensen Institute  Clayton Christensen, especialista em inovação, diz que uma Ruptura Positiva substitui tecnologias existentes, produtos e serviços por algo novo, mais eficiente e mais acessível. Logo, mais disponível para um maior número de pessoas.

Convido vocês a refletirem sobre as Rupturas Positivas que vocês já vivenciaram e quais foram os resultados.

O filme O Primeiro Homem é um forte candidato a concorrer ao Oscar 2019.

Na próxima sessão, faremos uma retrospectiva dos temas abordados em 2018.

A Sessão Vai Começar – Ponto Cego

A Sessão Vai Começar – Ponto Cego

Em várias outras sessões ressaltei que é possível reconhecer múltiplos temas dentro de um mesmo filme. Em Ponto Cego (Blindspotting) o diretor lança nosso olhar para questões que tangem a violência policial, a desigualdade social e a marginalização dos habitantes de uma determinada localidade que estão passando por um processo de gentrificação. Tudo isso é visto através dos personagens Collin e Miles – um negro e outro branco -, que são amigos de infância e também trabalham juntos numa empresa de mudanças. A questão é que Collin está a três dias de conquistar sua liberdade condicional e não quer entrar em nenhuma encrenca. Já Miles é inconsequente e impetuoso, o que pode comprometer a liberdade do amigo.

Na mesma semana em que vi esse filme participei de uma palestra ministrada por um professor de Filosofia sobre Os Sentidos Dos Afetos. E um dos módulos tinha como tema a Alegria pelo ponto de vista do filósofo do século XVII Baruch Espinoza.

Bem, a pergunta que coloco sobre o filme Ponto Cego é: como poderíamos relacionar esse tema à ideia de Alegria de Espinoza. Penso que nas relações interpessoais dos personagens Collin e Miles.

Segundo Espinoza, todo organismo vivo se esforça não só para se proteger, mas também para aumentar sua potência vital, ou seja, se aperfeiçoar. Esse esforço decorre de encontrarmos com outras pessoas as quais nos afetam e pelas quais somos afetados.

Nesses encontros, em que potencializamos nossas forças positivas, geramos a alegria e, consequentemente, uma ação positiva. Já nos encontros em que diminuímos a nossa vitalidade geramos tristeza e, consequentemente, uma reação negativa.

Em várias cenas do filme Ponto Cego é possível observar a filosofia de Espinoza, tanto nos encontros alegres como nos tristes. Quando os dois personagens estão trabalhando é possível perceber claramente os encontros nos quais uma ação positiva é potencializada, tornando o trabalho de ambos alegre e produtivo. E nas cenas em que Collin ou Miles tomam atitudes inapropriadas, tal como quando fomentam uma briga que torna o encontro inadequado, isso gera tristeza e, consequentemente, uma reação negativa.

É curioso refletir sobre quão importante profissionalmente e na nossa vida social, focarmos em encontros que potencializem o que temos de melhor, para gerarmos alegria e, portanto, uma ação positiva. Essa ação, com certeza, acionará uma força poderosa: a criatividade.

Podemos concluir que a alegria permanece como uma certeza e uma extraordinária possibilidade.

Até a próxima sessão.