A Sessão vai Começar: DAS FORUM

A Sessão vai Começar: DAS FORUM

Dirigido pelo alemão Marcus Vetter, “DAS Forum” trata dos acontecimentos e bastidores do Fórum Econômico Mundial de Davos. Foi a primeira vez, em 49 anos, que um cineasta teve acesso irrestrito aos corredores e salas que as câmeras de TV não puderam acompanhar.

O Fórum de Davos é realizado desde 1971, na Suíça, pelo criador e organizador suíço-alemão Klaus Martin Schwab. Anualmente, os principais líderes empresariais, políticos, intelectuais e jornalistas se reúnem para debater questões mundiais abrangendo situações comerciais, de saúde e meio ambiente. Ao longo do tempo, o Fórum também se constituiu como ponto de inovação em que se apresentam novas tecnologias que visam auxiliar na melhoria da vida coletiva.

Ao terminar de assistir o documentário, lembrei-me do livro “O Jogo Infinito” do autor e palestrante Simon Sinek. O capítulo 2, denominado “Causa Justa”, me fez pensar nas discussões sobre sustentabilidade, tema central da 50ª edição Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Para entendermos a ideia de “Causa Justa”, Sinek inicia o capítulo descrevendo a história do botânico Russo Nikolai Vavilov, que tinha o sonho de acabar com a fome no mundo e seu plano consistia em utilizar a ciência emergente da genética para gerar “super-plantas”, capazes de crescer em todos os locais e em todos climas – dos desertos de areia mais frias durante secas ou inundações, podendo salvar civilizações inteiras. Durante a II Guerra Mundial, no cerco de Leningrado, a equipe de cientistas do Vavilov trabalhava para proteger o banco de sementes e cereais. Este era o foco da “Causa Justa” dos cientistas.

É importante ressaltar que Sinek define uma “Causa Justa” como uma visão específica de um futuro que ainda não existe. Algo que está em constante construção e que tem que preencher as cinco condições abaixo descritas:

  1. A favor de algo, em vez de lutar contra algo
  2. Inclusiva, onde todos podem contribuir
  3. Direcionada, a beneficiar os outros
  4. Resiliente, sendo capaz de resistir a qualquer tipo de mudança
  5. Idealista, sendo extravagante e visionária.

É possível constatar no documentário a prática da “Causa Justa” através da participação dos convidados: o ex-presidente americano Al Gore, conhecido pelo seu ativismo ambientalista; Jennifer Morgan, diretora do Greenpeace Internacional e vários ministros mundiais do meio ambiente. Todos eles analisaram o tema do combate ao aquecimento global e as novas equações energéticas, utilizando fontes limpas como a solar e eólica para um mundo mais sustentável.

Qual é a sua “Causa Justa”? Conte para nós!

Até a próxima sessão.

 

 

 

Fonte: Filme “Das Fórum” e o livro “Jogo Infinito” Simon Sinek. Editora Sextante.

 

A Sessão Vai Começar: O Primeiro da Classe

A Sessão Vai Começar: O Primeiro da Classe

Falar sobre educação, para quem trabalha com desenvolvimento de pessoas, é sempre uma alegria. Recebi a indicação do filme “O Primeiro da Classe” (2008), da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD). O fato deste narrar uma história real despertou ainda mais a minha curiosidade.

O personagem Brad Cohen é portador da Síndrome de Tourette, um distúrbio neuropsiquiátrico caracterizado por tiques múltiplos, motores ou vocais que ocorrem de formas repetidas e involuntárias. Por este motivo sofre humilhações desde a infância. O sonho de Brad era ser professor do ensino fundamental. Já adulto e com um ótimo currículo, vai atrás do seu propósito, mas é sempre rejeitado ao apresentar as manifestações da síndrome nas entrevistas. Não desiste até que finalmente uma escola o contrata e então consegue reconhecimento pelo seu extraordinário trabalho.

O filme apresenta questões interessantes como: preconceito, frustração, motivação, autoconfiança, determinação, humildade, amor ao aprendizado, perspectiva e criatividade.

Dando continuidade aos estudos das forças de caráter, tema abordando em outras sessões, falaremos sobre a força da Humildade relacionada à virtude da Temperança e as forças do Amor ao Aprendizado, Perspectiva e Criatividade relacionadas à virtude da Sabedoria e Conhecimento.

Iniciamos com a força da Humildade. Ela envolve uma avaliação precisa das nossas habilidades, como o reconhecimento das nossas limitações e abertura para novas ideias, apreciando e valorizando as coisas ao nosso redor. Essa força desenvolve as relações interpessoais, pois as pessoas humildes tendem a ter níveis mais altos de gratidão, perdão, espiritualidade e saúde.

Seguimos agora para a força Amor pelo Aprendizado, que é reconhecida pela paixão que suscita ao ato de aprender. Ao descobrir algo novo, portas se abrem e jamais são fechadas. Assim como gera persistência diante de desafios e contratempos.

Podemos dizer que a força da Criatividade está relacionada às ações que nos levam a romper antigos hábitos para encontrar maneiras novas e diferentes de lidar com determinadas situações. É também atentar para intuições, imaginação e até mesmo sonhos. A autoconfiança e o autoconhecimento, subprodutos da criatividade, contribuem para que a pessoa se sinta confortável em uma variedade de situações, adaptando-se assim aos desafios e fatores de estresse que surgem.

A força Perspectiva é a capacidade de desenvolver ideias que façam sentido para si mesmo e para os outros. Num contexto social, essa força permite ao indivíduo ouvir os outros, avaliar o que dizem e então oferecer sugestões. Como também aprender com os erros e as forças dos outros.

O nosso protagonista, Brad Cohen, encarou sua doença potencializando as forças abordadas nesta sessão e, através delas, conseguiu realizar o seu propósito.

Finalizando, algumas reflexões sobre a forças citadas acima. Não deixem de compartilhar conosco!

  • Em que situações que você se sente mais confortável para compartilhar suas perspectivas?
  • Qual seria um tema que gostaria de aumentar o seu conhecimento?
  • Como a criatividade ajuda a solucionar questões difíceis que se apresentam na sua vida?

Até a próxima sessão!

 

 

Fonte: filme “O Primeiro da Classe”, livro “Character Strengths and Virtues” de Christopher Peterson e Martin Seligman e site geniantis.org.

 

 

 

 

 

 

 

 

A Sessão vai Começar: Um Senhor Estagiário

A Sessão vai Começar: Um Senhor Estagiário

Falar sobre diversidade é sempre oportuno. Já tratamos esse tema em algumas sessões, com os filmes “Zootopia – Esta Cidade é um Bicho”, “Uma Mulher Fantástica” e “Estrelas Além do Tempo”. Os tópicos abordados nestes filmes foram gênero, raça e homoafetividade. Entretanto, o mundo da diversidade trata de muitos outros temas como crenças, estado civil, classes sociais, etnias, necessidades especiais e etarismo.

Revendo revistas antigas como Psique, Você S/A, Filosofia e Vida Simples, encontrei, na primeira revista citada, uma edição de 2015 que trazia uma matéria sobre “Etarismo nas Organizações”. De acordo com ela, “é no contexto profissional que estereótipos e preconceitos relacionados à idade se tornam mais explícitos”. Lembrei logo do filme “Um Senhor Estagiário”, estrelado por Anne Hathaway e Robert De Niro.

Ben é um homem de 70 anos, viúvo e aposentado, que precisa de um novo propósito na vida. Uma oportunidade, um tanto inusitada, bate em sua porta quando uma startup de vendas online inicia um processo seletivo para estagiário sênior. Ele, então, se candidata e consegue a vaga.  Ao chegar na empresa, se depara com um ambiente diferente do seu trabalho anterior, além de ter que lidar com uma geração diferente da sua. Tanto Ben quanto os seus novos colegas poderiam perceber as dificuldades de ambos e se manter irredutíveis em suas posturas. Entretanto, eles abandonam esse pensamento e se ajudam mutuamente através do espírito de compartilhar conhecimento, possibilitando o crescimento de todos.

A pergunta para nossa reflexão seria: “Quais são os comportamentos negativos que exibem discriminação por idade? De acordo com estudos, alguns aspectos seriam:

  • Adotar políticas de recrutamento que impõem limites de idade à elegibilidade de uma pessoa.
  • Ser rejeitado em uma promoção e a posição dada a alguém mais jovem.
  • Ser negligenciado ou preterido por atribuições desafiadoras.
  • Priorizar os trabalhadores mais velhos nas fases de demissões das empresas.
  • Dar aos trabalhadores mais jovens oportunidades ou condições de trabalho mais favoráveis, como projetos ou equipamentos melhores do que os dos trabalhadores mais velhos.

Como pode a área de recursos humanos combater a discriminação por idade?

  • Implementando políticas que indiquem claramente como a empresa trata este assunto, com uma posição firme contra o preconceito.
  • Criando um canal onde os colaboradores falem sobre o tema e recorram caso percebam qualquer tipo de discriminação, seja por idade, gênero, crenças.
  • Explicando sobre o processo de apuração das reclamações e oferecendo alternativas.

Encontrar esse terreno comum entre grupos de diferentes idades pode ser a chave para diminuir as diferenças entre gerações. Não existe uma solução mágica, é claro, mas muitos caminhos para construir um ambiente de trabalho saudável onde os profissionais se sintam incluídos em cada etapa do caminho, independentemente do estágio da vida em que se encontram.

A título de curiosidade, no universo cinematográfico, encontramos diretores e atores atuando com idade acima de 70 anos. Como o próprio Roberto de Niro, que aos 76 anos atuou no filme “O Irlandês”, que concorreu ao Oscar 2020 como melhor filme. O diretor Clint Eastwood, que em 2019 dirigiu o filme “O Caso Richard Jewell” com 89 anos, na época . Fernanda Montenegro, com seus 90 anos integrando o elenco de “A Vida Invisível”, filme brasileiro que levou o prêmio principal da mostra ”Un Certain Regard”, no Festival de Cannes em 2019.

Em seu dia a dia, você vê ou já presenciou algum caso de etarismo? Como foi? Alguma atitude foi tomada a respeito?

 

Fonte: filme “Um Senhor Estagiário (2015)”, revista Psique 2015 nº109 e www.aarp.org (American Association of Retired Persons).

 

 

 

 

A Sessão vai Começar: Harriet

A Sessão vai Começar: Harriet

Como as salas de cinemas ainda não abriram, continuo nos serviços de streaming e canais por assinatura. Nesta sessão, escolhi o filme do gênero cinebiografia chamado Harriet. A atriz Cynthia Erivo concorreu este ano para o Oscar de melhor atriz, por sua extraordinária atuação.

O longa conta a trajetória de Harriet, nascida por volta de 1820 como escrava numa fazenda no Condado de Dorchester, no estado de Maryland. Harriet foi espancada e açoitada por seus vários mestres quando criança. Ainda muito jovem sofreu um ferimento traumático na cabeça que a deixa sofrendo de convulsões e dores pelo resto da vida. Em 1849, com base nos rumores de que estava prestes a ser vendida, movida pelo propósito de ser livre, Harriet foge da fazenda e percorre 160km a pé até a Filadélfia para obter liberdade. Não satisfeita em ser livre sem a família, em dezembro de 1850 resgata a irmã e os dois filhos. Essa jornada gerou mais de 19 incursões, cada vez mais perigosas, nas quais, durante a década seguinte, conduziram pelo menos 70 escravos fugitivos ao longo do “Underground Railroad”, uma associação antiescravista até o Canadá. Harriet continuou suas atividades antiescravidão durante a Guerra Civil, servindo como escoteira, espiã e enfermeira do Exército da União, até se tornar a primeira mulher dos EUA a liderar tropas para a batalha.

Analisando com base no livro “Character Strengths and Virtures” de Christopher Peterson e Martin Seligman observamos em Harriet a virtude da Coragem que compõe as forças de carácter da bravura, persistência, honestidade e vitalidade. Essas forças fortaleceram a estratégia utilizada para cumprir a missão de resgatar os escravos.

Conheçamos mais características dessas forças.

Bravura pode ser definida como uma força onde as pessoas não se retraem quando ameaçadas, pelo contrário, elas encaram desafios mesmo que possam trazer a dor. Ter bravura envolve posturas que podem ser impopulares, difíceis ou perigosas. A pessoa valente supera os instintos do medo, enfrentando situações difíceis e assustadoras.

Persistência é a força responsável para o sucesso relacionado aos projetos difíceis, pois são concluídos apesar dos obstáculos. Esses projetos são executados com prazer e bom-humor, gerando engajamento. A força da honestidade está associada ao modo autêntico e genuíno de agir. Está presente nas pessoas coerentes com os outros e consigo mesmas, sem fingimentos. Estas assumem a responsabilidade pelos seus sentimentos e ações.

A vitalidade está correlacionada ao entusiasmo que temos em função das atividades ou as rotinas que exercemos. Ela contagia e inspira as pessoas.

Na complexa situação atual, em função da pandemia do Covid19, despertar as forças acima descritas é de suma importância, pois elas nos fortalecem gerando bem-estar, realização e significado para as nossas vidas.

Você utilizou algumas dessas forças nos últimos meses?

Como e aonde foi?

Compartilhe conosco!

 

Aguardo sua história e até a próxima sessão.

 

 

 

 

Fonte: Filme Harriet e o livro “Character Strengths and Virtues” de Christopher Peterson e Martin Seligman.

Felicidade dá lucro

Felicidade dá lucro

Em 2015, comprei o livro “Felicidade dá Lucro” do Márcio Fernandes. O título me chamara atenção pois terminava a pós em Psicologia Positiva e Coach. No meu trabalho de conclusão observei que, ao potencializar ações positivas nas organizações (sejam elas hospitalares, de ensino e outras) obtemos maior engajamento da equipe, e desta forma gerando bem-estar.

Márcio Fernandes foi presidente da Elektro, uma das maiores distribuidoras de energia elétrica do Brasil. Ele assumiu o cargo em 2011, antes dos 40 anos de idade. Em 2016, foi nomeado executivo de valor em seu setor, pelo jornal Valor Econômico. Em 2017, alcançou 100% da confiança dos seus quase 4 mil colaboradores de acordo com a pesquisa Great Places To Work. Em seu livro, ele finaliza cada capítulo com o tema “Direto ao Ponto”. Abaixo, algumas das ideias expostas que considero interessantes.

    • Aproveite para aprender tudo o que puder com quem tem interesse genuíno em você.
    • Se você quer que sua equipe tenha determinadas atitudes, seja sempre o primeiro a dar o exemplo. Não adianta cobrar sem antes oferecer o modelo.
    • Aprenda a delegar, pois é uma forma de estimular a autonomia da sua equipe.
    • Não permita que a timidez ou os preconceitos levantem barreiras entre você e os outros.
    • Às vezes, a vida coloca diante de nós obstáculos reais e concretos. Não fique paralisado, sempre existem caminhos para contornar as dificuldades.
    • Aceite o desafio de ir trabalhar na área em que a empresa mais precisa de suas competências.
    • Nem tudo acontece como planejado. Por isso, nas turbulências, identifique as oportunidades e aproveite-as.
    • Para liderar, o primeiro passo é manter aberto o canal da escuta ativa. Todo colaborador pode expressar sua opinião, sugestão, crítica ou reivindicação.
    • O diálogo, franco e aberto, entre o líder e sua equipe deve ser sistemático. Conversar de vez em quando não adianta. Defina uma periodicidade e a cumpra.
    • Seja o mais simples possível ao conversar com as pessoas. É preciso estar com os olhos e os ouvidos atentos. Agir com o coração vai lhe poupar tempo.
    • Procure ser o mais espontâneo possível, recorrendo ao método de “storytelling”.
    • Ofereça o seu melhor multiplicado pelo máximo de confiança.
    • Ao propor algo diferente, é preciso dar tempo ao tempo. Enquanto a credibilidade é sedimentada, você precisa persistir e ser coerente. Vá em frente repetindo o mantra: “persistência na coerência”.
    • Não há dinheiro no mundo que pague o sacrifício de trabalhar em um emprego que não gostamos. Não adianta, você fazer todo o esforço e receber o maior salário do mundo, continuará infeliz.
    • O líder é quem vai à frente e indica a direção para os outros. Mas ele só apontará o caminho dando o exemplo: deve acreditar e praticar diariamente seus valores. Para liderar é preciso walk the talk.
    • Uma das grandes missões dos líderes: cuidar para que a companhia seja incansável na busca por ganhos de eficiência por meio da prática de processos de melhoria contínua.
    • A missão, a visão e os valores não podem ser apenas mais um quadro finamente emoldurado e dependurado na parede. É a convergência de propósito entre as pessoas e a empresa que viabiliza o engajamento espontâneo e materializa ideias no dia a dia de trabalho.
    • Uma gestão compartilhada é o “nós” posto em prática e incorporado à cultura organizacional.
    • Tenha absoluta convicção de que ser feliz é o melhor negócio que se pode fazer na vida. Quem está satisfeito com o que é e faz, cresce profissionalmente e consegue ganhar mais. O lucro é consequência da sua felicidade.

 

 

Como pôr em prática as dicas acima?

Pratique a escuta ativa.

Semanalmente, escolha dois conceitos, compartilhe com a sua equipe e então peça para comentarem. A estratégia da escuta ativa é o caminho para o sucesso na formação de equipes satisfeitas e comprometidas.

Me conte o que achou das dicas acima? Vamos trocar ideias?

Até o próximo encontro.

 

Não temos um script no momento

Não temos um script no momento

Em uma sessão ao vivo, na conferência virtual da Association for Talent Development, Elliott Masie, presidente da Learning Consortium falou sobre a realidade atual e projetou um olhar para o futuro.

O início da sessão mostrou sobre a possibilidade de pensar na aprendizagem “Lego” , ou seja “blocos de aprendizagem”. Salientou também que, grande parte do aprendizado e do conhecimento encontra-se nos nossos colegas de trabalho e não necessariamente na equipe corporativa de educação e desenvolvimento. Masie delineou quatro estágios do aprendizado corporativo durante a pandemia.

Estágio 1: “Oh,droga!”. Durante esse período as organizações vivenciaram um movimento parecido como de um “looping”, pois, muitos dos seus colaboradores, quase instantaneamente, foram obrigados a trabalhar de casa. Isso sem as ferramentas necessárias como banda larga, dividindo espaços limitados com outros membros da família que também aprendiam a trabalhar de casa. Nesse estágio ocorreu pouco aprendizado formal.

Estágio 2: fomos apresentados aos desafios e às oportunidades de adaptação e adoção de novas formas de aprendizagem. Usamos as ferramentas existentes para ajudar a manter algum grau de conectividade. Ocorreu uma certa conscientização para reconhecer as mudanças. Nesse momento passamos a não exigir a utilização dos webinars, com a intenção de não sobrecarregar os colaboradores. Entretanto, eles ansiavam por mais suporte, acesso ao conhecimento especializado e mais conexão.

Estágio 3 – neste estágio deveríamos ter em mente a seguinte pergunta: “como otimizar o apoio aos funcionários”? O “e” do e-learning de hoje não significa de eletrônico, mas sim de evolução e, mais importante, de empatia. Tudo isso faz parte do aprendizado atual. A área de educação e desenvolvimento precisa de reconhecer que seus profissionais vivem uma experiência completamente diferente, lidando com incertezas econômicas e de saúde.

Estágio 4: não sabemos exatamente o que está para vir. Logo, não temos uma estratégia definida, mas há pontos a serem observados:

  • Há profissionais que voltarão a trabalhar num espaço físico. Eles precisarão de instrução quanto aos novos procedimentos, como distanciamento social, uso de máscara e outras questões pertinentes a saúde de todos.
  • Um segundo grupo de funcionários continuarão trabalhando em casa. Parte do desafio será na retenção dos que apreciam do contato social e veem vantagens em compartilhar o mesmo espaço físico. Devemos nos perguntar: os cronogramas serão modificados a longo prazo? A organização fornecerá ferramentas mais adequadas?
  • Uma outra questão: como ocorrerá a integração com a equipe que continuará trabalhando para a organização? A área de talentos talvez precise redesenhar as descrições dos cargos com novas habilidades.
  • Enfatizou-se a necessidade da área de RH atender as demandas das pessoas que tiveram suas vidas interrompidas e que não retornarão aos seus antigos postos. Como a organização poderá ajudar esse grupo?

No final da sessão virtual, um participante perguntou sobre a conexão entre a área da educação e desenvolvimento e os shows. Elliott Masie junto com a Masie Productions produzem musicais e peças na Broadway. Masie afirmou que é importante integrar conteúdo, música e envolvimento e que devria ser o foco da área de educação e desenvolvimento.

A conferencista finaliza com a seguinte reflexão: “nesse período não tinhamos nenhum roteiro preestabelecido, mas temos uma história para contar e devemos dedicar um tempo para celebrar o que realizamos, como nos adaptamos e tudo que foi produzido”.

 

FONTE: Texto adaptado e traduzido do site ATD (Association for Talent Development Virtual Conference Experience).