Dia Internacional da Mulher: uma Reflexão!

Dia Internacional da Mulher: uma Reflexão!

Dia 8 de março. O que nós mulheres temos a lembrar, a celebrar?

Certamente muito. Avanços contínuos e incessantes em termos de inclusão, em todas as áreas das atividades humanas, sempre em movimento… (alguns dizem que desde a Revolução Francesa/Iluminismo.)

Mudamos e somos mudados cotidianamente quando na relação com nossos pares e com o ambiente que nos cerca. Não estagnarmos é de fato uma meta. Isto vale para todos.

Pessoalmente não sou afeita às comemorações deste dia. É que me dá uma sensação de “coisificação” … penso: tanto foi feito para não mais ocuparmos esse lugar, não é?  Mas se é para celebrarmos a vida e suas mudanças, contem comigo. Sempre.

E aqui estamos: mulheres, parceiras, empresárias, mães, presidentes, amigas, funcionárias, avós, sonhadoras, donas de casa… enfim: donas de nossos narizes, na medida do possível, naturalmente.

Adoramos estar com outros, de  acrescentarmos valor por onde passamos.  Mas isto não nos define.

LIBERDADE, esta me parece ser a palavra com a qual mais nos identificamos hoje.

Psicanalista que sou, convido meus mestres…

Freud já no final de sua vida teria confidenciado à sua amiga e discípula Marie Bonaparte:

“A questão que nunca foi respondida e que eu ainda não tenho sido capaz de responder, apesar de meus trinta anos de pesquisa sobre a alma feminina é: o que quer uma mulher?”

À esta reflexão, Lacan acrescenta  sua polêmica e deliciosa  afirmação/ provocação: “A mulher não existe”… Isto tudo para nos dizer  o que, me parece, Freud já teria indicado de certa forma:

O conceito de “A” mulher de fato não existe, porque nós mulheres  temos a capacidade de sermos uma a uma, de dispensarmos o coletivo que nos aprisiona quando nos define e nos reduz. Não queremos, nem precisamos ser,  representantes de nossa “Condição”. Vamos sendo…

Para mim o que temos realmente  a celebrar neste dia é a liberdade conquistada de podermos ser uma, dentre tantas mulheres. Tão somente uma. E a de sermos ouvidas a partir de nossas individualidades, de nossas experiências, de nossas falas e da expressão do que queremos como indivíduos, em nossas radicais diferenças, sem necessitarmos de padrões pré-fixados que nos digam o que queremos ou devemos ser!

Demos luz à diversidade! Precisa dizer mais?

Neste dia então, proponho que celebremos o maravilhoso fato de podermos ser cotidianamente “esta metamorfose ambulante”…”

CHEERS

Dora Gurfinkel Haratz é psicanalista e terapeuta de família e casal.

 

Mitos e verdades sobre o câncer

Mitos e verdades sobre o câncer

Com o diagnóstico do câncer vem uma série de dúvidas sobre o seu comportamento, prognóstico e tratamento. É necessário desmistificar alguns mitos e verdades sobre o câncer em geral.

O Câncer é contagioso.

Mito – O câncer não é contagioso, seu surgimento geralmente está relacionado a uma série de fatores ambientais e comportamentais do indivíduo. Alguns tipos de câncer podem ser prevenidos com a adoção de medidas simples, como é o caso do câncer de colo uterino relacionado à infecção pelo vírus HPV. A utilização de preservativo (camisinha) pode evitar a infecção pelo vírus HPV.

Todo câncer é hereditário.

Mito – Apenas 5 a 10% dos casos de câncer são hereditários, a grande maioria (90 a 95%) dos casos são chamados de esporádicos. O câncer esporádico está relacionado ao estilo de vida do indivíduo (hábitos alimentares, prática de esporte / sedentarismo, tabagismo entre outros).

Posso reduzir o risco de ter câncer adotando hábitos saudáveis de vida

Verdade – Atualmente sabemos que a adoção de um estilo de vida saudável, com a realização de atividade física diária, redução da obesidade, boa alimentação (rica em frutas, legumes e verduras, pobre em alimentos industrializados e embutidos) e ausência de tabagismo podem levar a redução significativa no risco de desenvolvimento do câncer em geral.

 Tabagismo causa apenas câncer de pulmão.

 Mito – Considerado a principal causa de morte evitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS), O tabagismo além de ser causa de diversas doenças respiratórias e cardiovasculares, também é um fator de risco importante para o desenvolvimento de câncer em vários órgãos, como: pulmão, boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero e leuemia).

Câncer não tem cura.

Mito – Quando diagnosticado precocemente e tratado adequadamente, o câncer dependendo do seu tipo e estádio tem boa chance de ser curado. Isso mostra a importância de mantermos acompanhamento médico regular e caso necessário, o tratamento deve ser conduzido por equipe multidisciplinar especializada.

Ingestão de bebida alcoólica em excesso pode causar câncer.

Verdade – Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o alcoolismo causa entre 2% e 4% das mortes por câncer, sendo fator de risco para o desenvolvimento de tumores na cavidade bucal, esôfago, fígado, reto e possivelmente mama, principalmente se o uso for combinado com o tabagismo. Fica a dica para bebermos com moderação.

Açúcar causa câncer.

Mito – Ainda que a obesidade esteja relacionada ao câncer, o consumo de açúcar por si só não aumenta o risco. Todas as células, inclusive as cancerígenas, dependem do açúcar do sangue (glicose) para obter energia. Dar mais glicose (açúcar) a células cancerígenas não aumenta a sua quantidade ou sua velocidade crescimento.

Refrigerante pode causar câncer.

Verdade – Os refrigerantes contêm a substância 4-MI (4-metil-imidazol), classificada como possivelmente cancerígena pela Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC), da Organização Mundial da Saúde (OMS). Esse composto é um subproduto do corante caramelo IV presente nessas bebidas. Sendo assim é bom evitarmos a ingesta de refrigerante, opte por água ou suco da fruta natural.

A ingestão de frutas, verduras e legumes com resíduo de agrotóxico não tem benefício na prevenção do câncer.

Mito – Existem evidências de que os benefícios da ingestão de frutas, legumes e verduras na prevenção do câncer superam os malefícios do consumo desses alimentos com resíduos de agrotóxicos. Optar por alimentos orgânicos é sempre o ideal (mais saudáveis), mas o mais importante é manter uma dieta rica em frutas, legumes e verduras diariamente.

Utilizar forno de micro-ondas causa câncer.

Mito – O forno de micro-ondas possui uma forma de radiação não ionizante, que não tem capacidade para lesar o DNA das células (ou seja, o material genético das células). Portanto, a exposição não torna o alimento radioativo e também não causa risco à saúde das pessoas.

Esses são alguns exemplos de mitos e verdades relacionados ao câncer.

Caso você tenha mais alguma dúvida relacionada ao tema, fique a vontade em encaminhar sua pergunta que terei o imenso prazer em respondê-la.

Lembrando que prevenção, diagnóstico precoce e tratamento adequado do câncer são o segredo para aumentar a chance do nosso sucesso.

A Sessão Vai Começar – A Promessa

A Sessão Vai Começar – A Promessa

Esta sessão vai ser dedicada ao tema resiliência e o filme escolhido foi “A Promessa”. O tema resiliência foi brevemente analisado no ano passado no filme “Perdido em Marte” quando abordei a questão dos 4 Capitais Psicológicos Positivos (autoeficácia, otimismo, esperança e resiliência). Conceito introduzido em 2004 por Fred Luthans, pesquisador norte-americano e especialista em comportamentos organizacionais. Resolvi então aprofundar mais o assunto da resiliência.

O filme “A Promessa” se passa às vésperas da primeira Guerra Mundial, situando-se no Império Turco-Otomano, onde ocorreu, naquele período, o terrível genocídio armênio. Na trama Michael Boghosian, um jovem estudante de medicina chega a Istambul para estudar com o propósito de terminar o curso e voltar para a sua aldeia, casar com a noiva prometida e iniciar a sua prática. Em Istambul entretanto ele se apaixona por Ana a jovem tutora das filhas do tio dele, que está com o jornalista americano Chris Myers. Myers encontra-se em Istambul para cobrir os acontecimentos políticos. Os homens se tornam rivais e apesar de um triângulo amoroso conflitante os três diante de situações perigosas e de escolhas dolorosas em situações extremas tiveram a capacidade de lidar com a adversidade e seguir em frente munidos com senso de significado.

O conceito de resiliência ganhou forças no últimos anos pois tem demonstrado que mesmo diante de cenários desfavoráveis, complexos e de mudanças, as pessoas e as empresas conseguem maximizar seu desempenho com o máximo de inteligência gerando um significado ou um sentido para aquela experiência.

O processo de resiliência contempla: avaliação da situação pelo indivíduo ou seja como ele percebe a situação, a sua mobilização de como irá empreender esforços emocionais e comportamentais para enfrentar a situação e o gerenciamento das exigências externas que seriam as ameaças que controlam e dominam a situação.

Podemos identificar alguns comportamentos na construção da resiliência como:

  • Saber se antecipar e adaptar-se às mudanças e situações ambíguas.
  • Não desistir diante de situações difíceis, mantendo a persistência na busca de resultados.
  • Reagir com flexibilidade diante dos desafios.
  • Compartilhar sentimentos e ideias com pessoas as quais mantém vínculos significativos.
  • Encorajar a positividade para transformar a adversidade em algo positivo.

É fácil imaginar mesmo se você não viu o filme pela simples descrição do texto e dos itens acima a capacidade que os personagens tiveram em adotar a resiliência como uma ferramenta transformadora.

Agora duas perguntas para vocês refletirem:

  1. Em que situação recente você adotou um comportamento resiliente?
  2. Como é possível gerar uma resiliência ainda maior?

Vejo vocês mês que vem!