Google: cuidar da saúde é prioridade para brasileiros em 2021

Google: cuidar da saúde é prioridade para brasileiros em 2021

Pesquisa feita pela empresa de busca revela maior preocupação com bem-estar e forma física

 

Diante dos contratempos impostos pela pandemia em 2020, a Google perguntou aos brasileiros: quais são as suas prioridades para 2021? A pesquisa foi feita em outubro de 2020 e entrevistou 1.000 brasileiros entre 18 e 64 anos. O resultado da pesquisa foi recém divulgado e é animador.

Em primeiro lugar nas respostas, com 35%, aparece cuidar da saúde. Logo em seguida, com 26%, o brasileiro afirma que pretende emagrecer e fazer exercícios. Ambas as respostas aparece a frente até de alternativas mais compreensíveis depois de um ano tão difícil, como “aprender uma nova língua” (24%), “investir meu dinheiro” (23%) ou “comprar um automóvel” (19%).

Na busca por mais saúde, emagrecimento e exercícios, os entrevistados afirmam que entre os principais serviços que irão procurar em 2021 estão academia de ginástica (24%) e consultas médicas (8%). Aqui vale um destaque: é interessante que o Google, conhecido como “o senhor de todas as respostas” e para onde muitos pacientes correm em busca de respostas, reconheça a importância de uma consulta médica profissional e especializada para a saúde das pessoas.

O concreto é que cuidar da saúde, emagrecer, praticar exercícios, realizar consultas médicas e fazer exames periódicos é uma fórmula perfeita para uma vida com mais qualidade, uma “vacina natural” que previne de doenças crônicas perigosas, como a diabetes, a pressão alta ou complicações respiratórias. O Brasil, infelizmente, coleciona tristes estatísticas: somos o 5o país em incidência de diabetes no mundo e a hipertensão faz parte da vida de 60% dos nossos idosos.

Torço para que a pesquisa do Google seja mais do que uma lista de intenções a ser esquecida com o correr dos meses. Mantenha o foco, persevere. Se “escorregar” em um dia, não se penitencie e coloque tudo a perder: retome o estilo de vida saudável no dia seguinte.

Que as prioridades listadas pelos brasileiros se concretizem não apenas em 2021, mas também nos próximos anos!

6 dicas para um 2021 mais saudável

6 dicas para um 2021 mais saudável

Se o ano de 2020 foi dominado pelo assunto coronavírus, não resta dúvida que passaremos boa parte de 2021 ouvindo falar sobre as tão esperadas vacinas. No entanto, para muitas doenças já existe uma “vacina natural”, acessível a todos: um estilo de vida saudável. Ele melhora a imunidade, sem dor, sem efeito colateral, na dose certa, é democrático e pode ser praticado por qualquer pessoa. Um estilo de vida saudável representa 73% das chances de longevidade de um indivíduo.

Compartilho abaixo algumas dicas de como ter um 2021 saudável.

1) Alimentação saudável – A alimentação equilibrada previne doenças, retarda o envelhecimento e melhora o humor. Dê preferência aos alimentos in natura ou minimamente processados, como frutas, verduras, legumes, tubérculos ou raízes, oleaginosas, carnes, ovos e grãos. Diminua o consumo de sal e açúcar e mantenha-se sempre hidratado.

2) Praticar exercícios físicos – A prática de exercícios fortalece a imunidade, previne doenças cardiovasculares, pois reduz a tensão arterial e o colesterol, aumenta a energia, além de ajudar a manter o peso saudável, a controlar o estresse e manter a boa saúde mental.

3) Boa noite de sono – Segundo pesquisas, 75% dos brasileiros apresentam queixas em relação ao sono. O sono adequado é responsável por repor as energias e representa um dos segredos da longevidade. Dormir bem também ajuda a controlar o estresse, já que o organismo equilibra a produção dos hormônios cortisol e adrenalina e aumenta o da melatonina, que melhora o sono. Evite beber café, álcool poucas horas antes de se deitar. O uso de aparelhos eletrônicos na cama antes de dormir, como celular, televisão e computador, também prejudicam o bom sono.

4) Não fumar – Recente pesquisa do IBGE apontou que 20,4 milhões de pessoas maiores de 18 anos consumiram produtos derivados de tabaco, fumado ou não fumado, de uso diário ou ocasional. Apesar de a estatística de fumantes estar em queda, ainda é um número bastante alto. O cigarro é um dos maiores causadores de doenças respiratórias e cânceres.

5) Beber moderadamente – O consumo de bebida alcoólica, de forma moderada e responsável, não oferece risco grave à saúde. No entanto, se tais precauções forem extrapoladas, há o perigo iminente de doenças hepáticas, neurológicas e cardíacas. A dica é consumir com moderação.

6) Fazer exames periódicos – Check-ups médicos contribuem na correção de eventuais fatores de risco para a saúde a partir da realização de exames preventivos. Procure seu médico ou uma clínica especializada e faça seus exames de rotina.

 

Aos leitores, os meus votos de um Feliz 2021, com muita saúde!

 

Nova pesquisa do IBGE alerta sobre saúde do brasileiro

Nova pesquisa do IBGE alerta sobre saúde do brasileiro

Dados sobre obesidade, depressão e consumo de álcool são preocupantes

 

O IBGE acaba de divulgar dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada em todo Brasil em 2019 e alguns números são alarmantes. O percentual de pessoas obesas em idade adulta no país mais do que dobrou em 17 anos, indo de 12,2%, entre 2002 e 2003, para 26,8%, em 2019. No mesmo período, a proporção da população adulta com excesso de peso passou de 43,3% para 61,7%, representando quase dois terços dos brasileiros.

A pesquisa também quis saber sobre os hábitos de consumo de bebidas alcóolicas da população e a conclusão também foi surpreendente: 26,4% dos brasileiros adultos afirmaram ter bebido semanalmente em 2019 contra 23,9% em 2013. A consulta do IBGE comprovou o que já observamos em nossas clínicas, um crescimento de 4,1% do consumo entre as mulheres, levando a um salto de 12,9% para 17%. É importante ressaltar que o consumo de bebida alcoólica, de forma moderada e responsável, não oferece risco grave à saúde. No entanto, se tais precauções forem extrapoladas, há o perigo iminente de doenças hepáticas, neurológicas e cardíacas.

O IBGE também coletou informações sobre a saúde mental do brasileiro: 10,2% das pessoas com mais de 18 anos receberam diagnóstico de depressão contra 7,6% em 2013. Ao todo, 16,3 milhões de pessoas têm depressão diagnosticada.

As estatísticas sobre depressão, obesidade, consumo de álcool são alarmantes se considerarmos que elas se referem a um período anterior à atual pandemia, quando muita gente passou a beber mais, se exercitar menos, padeceu de transtornos mentais e negligenciou os cuidados com a saúde. Portanto, não é exagero supor que esses números só tenham aumentado consideravelmente no último ano.

No entanto, a pesquisa revela uma boa surpresa: uma queda de 2,1% de fumantes, uma redução de 14,9% para 12,8%, o que comprova uma maior conscientização da população acerca dos malefícios do cigarro. Ainda assim, o número de fumantes é alto: 20,4 milhões de pessoas maiores de 18 anos consumiram produtos derivados de tabaco, fumado ou não fumado, de uso diário ou ocasional.

A pesquisa do IBGE reitera o que defendemos há 30 anos: saúde é prevenção. Manter um estilo de vida saudável com a prática de exercícios físicos regulares, consumo moderado de bebidas alcoólicas, um sono reparador, alimentação equilibrada e realização de exames preventivos é a maneira mais segura e eficiente de adquirir qualidade de vida.

 

Qual sua opinião?

 

O estresse e a saúde da mulher contemporânea

O estresse e a saúde da mulher contemporânea

De acordo com estudo recente do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), a participação feminina no mercado de trabalho brasileiro deve crescer mais que a masculina até 2030. A tendência se explica por um maior investimento das mulheres em educação, conquista de direitos e saudáveis mudanças culturais da sociedade. Especialistas apontam que, em dez anos, elas serão profissionais mais qualificadas que os homens.

O justo e positivo avanço na carreira das mulheres, no entanto, acarreta riscos à saúde na medida em que elas enfrentam o desafio de equilibrar diversas funções e tarefas ao mesmo tempo no trabalho, em casa ou na universidade. Ainda segundo o IPEA, as mulheres trabalham, em média, sete horas e meia a mais que os homens por semana, em razão da chamada “dupla ou tripla jornada”.

Entre as consequências do acumulo de atividades estão os altos níveis de estresse e ansiedade. Segundo um estudo publicado no The Journal of Brain & Behavior, as mulheres são duas vezes mais propensas a sofrerem de estresse crônico que os homens. Além disso, um levantamento da Universidade de Harvard revelou que 80% de todas as consultas médicas de mulheres no mundo têm relação direta com o estresse vivenciado no cotidiano.

O estresse impacta em diversos mecanismos do organismo, entre eles o sistema imunológico, além de ser um importante gatilho para o estilo de vida pouco saudável, como sedentarismo, tabagismo e consumo em excesso de bebidas alcoólicas e alimentos gordurosos e açucarados – fatores que favorecem o desenvolvimento de diversas doenças crônicas como as do coração, câncer, obesidade, hipertensão e diabetes.

Algumas recomendações para evitar essas doenças são alimentação equilibrada, prática regular de exercício físico, boas noites de sono, controle de hábitos nocivos como o cigarro e o consumo excessivo de álcool e ter uma boa saúde psicológica, cercada de família e amigos em momentos de lazer.

Cerca de 50% dos clientes que procuram a MedRio hoje são mulheres, comprovando o entendimento da importância da prevenção como a maneira mais rápida, barata e fácil de adquirir e manter a qualidade de vida.

No mais, todo poder às mulheres!

 

Fonte: Veja Rio – A saúde da mulher contemporânea

 

Vem chegando o verão…

Vem chegando o verão…

A primavera acaba de começar e o verão só se torna a estação oficial em dezembro. Mas o calor já dá sinais, com a temperatura chegando à casa dos 40 graus ainda em setembro! Como proteger a pele tanto calor?

Antes de mais nada, convém esclarecer que o sol pode ser um aliado, mas também um grande vilão para a saúde e o funcionamento do corpo. Ele é importante para que o nosso organismo obtenha vitamina D, fundamental na melhora da absorção do cálcio, que fortalece os ossos.

Mas a exposição equivocada ao sol traz danos graves: manchas, queimaduras e envelhecimento precoce, além de aumentar o risco de câncer de pele, o tipo mais comum de câncer no Brasil. Segundo o INCA, são cerca de 180 mil novos casos por ano.

Para evitar os efeitos nocivos do sol, é essencial usar protetor solar diariamente, mesmo em dias nublados e passando o dia em ambientes fechados, nunca com fator de proteção inferior a 30 FPS. Quando estiver em locais de alta exposição solar, como na praia ou piscina, não abra mão de guarda-sol, chapéu e roupas que ajudam a proteger a pele dos raios solares mais intensos. As mesmas dicas valem para a prática de exercícios ao ar livre.

A radiação ultravioleta (UVA) tem efeito cumulativo, o que significa que a cada dia de exposição solar a sua pele fica mais danificada. Como os raios UVA penetram nas camadas mais profundas da pele, os riscos das pessoas desenvolverem câncer é maior quando não estão protegidas pelo filtro solar.

Um alerta importante: a pele não absorve o protetor solar imediatamente. Por isso é recomendado aplicar o produto de 20 a 30 minutos antes de se expor ao sol. Além disso, entre 10h e 16h é quando o sol tem a radiação mais forte. Neste intervalo de tempo, procure se proteger na sombra.

Não se esqueça da hidratação! A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que se beba, pelo menos, dois litros de água por dia para manter a pele saudável. Verdade seja dita: com o calor que está lá fora, não é nenhum sacrifício!

E por fim, faça exames preventivos regularmente e visite seu dermatologista.

 

 

Fonte e imagem: Hidratar é uma das regras de ouro para enfrentar o calor da estação. Pixabay/Reprodução

Veja Rio outubro/2020

A importância do Outubro Rosa

A importância do Outubro Rosa

A data nos lembra da importância da prevenção a doenças que atingem grande número de mulheres

 

Nas colunas anteriores, abordamos o câncer de mama e as doenças ginecológicas. São temas importantes, pela alta incidência, elevado grau de letalidade mas, sobretudo, por se tratarem de doenças que podem ser evitadas, se a paciente tiver acompanhamento médico preventivo. Pensando nisso, há 30 anos o mês de outubro é marcado por eventos do Outubro Rosa.

A data ganhou ainda mais popularidade nos últimos 10 anos, depois que vários monumentos e prédios históricos em diversas cidades do mundo passaram a ser iluminadas por luz cor de rosa para chamar a atenção do público para aquilo que a Medicina já sabe: a prevenção é a melhor arma de combate ao câncer de mama, de colo de útero e de diversas outras doenças.

O câncer de mama é o de maior incidência no mundo entre as mulheres, representando 24,2% do total de casos em 2018, com aproximadamente 2,1 milhão de casos novos. É a quinta causa de morte por câncer em geral (mais de 600 mil casos) e a causa mais frequente de morte por câncer em mulheres.

No Brasil, excluídos os tumores de pele não melanoma, o câncer de mama também é o mais recorrente em mulheres, de todas as regiões. Para este ano foram estimados 66.280 casos novos, o que representa uma taxa de incidência de 43,74 casos por 100 mil mulheres, um número considerado bastante elevado. Também percebe-se um crescimento das ocorrências entre mulheres mais jovens.

Segundo o INCA, alguns comportamentos contribuem para prevenir o câncer de mama em até 28% dos casos: ter uma alimentação saudável, praticar atividades físicas com regularidade, evitar bebidas alcoólicas, manter o peso adequado e fazer exames preventivos de rotina.

Infelizmente, no Brasil este último ponto é um empecilho concreto para boa parte das mulheres. De acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia, das 11,5 milhões de mamografias que deveriam ter sido realizadas em 2019, apenas 2,7 milhões chegaram a ser feitas. A diminuição acentuada do exame preventivo é um fator de risco para milhares de mulheres e um alerta para a importância da campanha Outubro Rosa.

Mantenha um estilo de vida saudável, consulte seu médico com regularidade e mantenha seus exames em dia. Sua saúde agradece.

 

 

 

Fonte: https://vejario.abril.com.br/blog/gilberto-ururahy/importancia-outubro-rosa/