Dez coisas que pessoas genuinamente confiantes fazem de maneira diferente

Dez coisas que pessoas genuinamente confiantes fazem de maneira diferente

Um estudo recente na Universidade de Melbourne mostrou que pessoas confiantes ganham salários mais altos e são promovidas mais rapidamente do que qualquer outra pessoa.

De fato, pessoas confiantes têm um impacto profundo sobre os outros. No entanto, elas só conseguem porque são focadas e impulsionadas por alguns hábitos citados abaixo:

FALAM COM CONVICÇÃO

Pessoas confiantes falam com convicção porque sabem que é difícil fazer com que os outros escutem se não passarem suas ideias com firmeza.

PROCURAM AS PEQUENAS VITÓRIAS

Pessoas confiantes gostam de se desafiar e competir, mesmo quando seus esforços geram pequenas vitórias. As pequenas vitórias criam no cérebro uma reação química relacionada à recompensas e motivação. Aumenta a confiança e disposição para enfrentar desafios futuros.

 SE EXERCITAM

Um estudo realizado no ”Eastern Ontario Research Institute” descobriu que as pessoas que se exercitaram duas vezes por semana durante dez semanas se sentiram mais competentes social e acadêmicamente. A imagem pessoal e a autoestima encontra-se num patamar mais alto.

NÃO PROCURAM ATENÇÃO

 Pessoas confiantes sabem que ser você mesmo é muito mais eficaz do que tentar provar que você é importante. Quando recebem elogios por algo que realizaram rapidamente mudam o foco para todas as pessoas que trabalharam duro em ajudá-las a chegar lá.

NÃO JULGAM

As pessoas confiantes não julgam os outros porque sabem que todos têm algo a oferecer. Comparar-se com outras pessoas é limitante.

A FELICIDADE VEM DE DENTRO

 A felicidade é um elemento crítico de confiança pois é necessário ser feliz com você mesmo. As pessoas confiantes obtêm seu senso de prazer e satisfação de suas próprias realizações, ao contrário do que os outros pensam de suas realizações.

OUVEM MAIS DO QUE FALAM

As pessoas confiantes ouvem mais do que falam. Sabem que ao ouvir e prestar atenção aos outros é muito mais provável que aprendam e cresçam.

ASSUMEM RISCOS

Quando as pessoas confiantes veem uma oportunidade, elas aceitam. Em vez de se preocupar com o que poderia dar errado, elas se perguntam: “O que está me impedindo?” “Por que não posso fazer isso?” E elas fazem. O medo não as impede porque sabem que, se nunca tentarem, nunca terão sucesso.

NÃO TÊM MEDO DE ESTAREM ERRADAS

 Pessoas confiantes não têm medo de passar por situações onde erram. Aprendem muito com os erros. Sabem do que são capazes e não tratam o erro como um problema.

CELEBRAM OS SUCESSOS DOS OUTROS

As pessoas confiantes concentram-se nas situações externas, o que lhes permite ver todas as coisas maravilhosas que as outras pessoas fazem desta forma compartilhando o sucesso.

 

 

Fonte: Trechos do texto do Dr.Travis Bradberry publicado no ”Association for Talent Development Education Community”.

Traduzido e adaptado por Gilda Palhares.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E SE, NO FINAL, TUDO DER CERTO? por Cris Chiavenato

E SE, NO FINAL, TUDO DER CERTO? por Cris Chiavenato

Sempre que estamos preocupados com algo, seja com nossa saúde física, com algum relacionamento, com nossa situação financeira, com dilemas no trabalho, com nossos filhos, etc., é comum focarmos no negativo, ou seja, no que não queremos que aconteça!

Isso ocorre porque nossa mente presta mais atenção no negativo do que no positivo. Se tivermos nove acontecimentos positivos no nosso dia e somente um acontecimento negativo, de qual você vai se lembrar mais?

Pesquisadores acreditam que a capacidade de enfatizar o negativo é resultado de um fenômeno evolutivo. Desde nossos primórdios, estar consciente e evitar o perigo têm sido uma habilidade fundamental para a sobrevivência do ser humano. O psicólogo e cientista Dr. Rick Hanson diz que nossos cérebros são “Velcro para a negatividade e Teflon para a positividade”. O que ocorre é que nossas preocupações, infelizmente, aderem nas nossas mentes muito mais do que nossas experiências positivas.

Eu vejo esse fenômeno acontecendo diariamente com meus clientes de Coaching, com as pessoas ao meu redor, e às vezes comigo mesma. O importante é que, com uma prática simples, podemos reverter essa negatividade.

Um dos meus clientes (coachee) queria ser promovido no trabalho, mas não sabia se seria capaz de exercer bem as novas funções. Ele já tinha pleiteado a promoção uma vez, sem êxito, então, naturalmente, estava com receio de tentar novamente.

Em uma das nossas sessões, eu pedi para ele fazer o seguinte exercício: escrever todo e qualquer pensamento que o estava incomodando – pensamentos negativos – com relação à tão desejada promoção, começando com: E se…

A lista dele ficou mais ou menos assim:

  • E se eu aplicar para a promoção novamente, mas não for aceito?
  • E se eu for aceito, mas não conseguir exercer bem as minhas funções?
  • E se eu não “der conta” do trabalho?
  • E se as pessoas me julgarem por isso?
  • E se eu ficar estressado com o novo cargo?
  • E se eu acabar saindo do meu equilíbrio?
  • E se eu perder o emprego por estar fazendo algo além das minhas habilidades?

Depois que ele tomou consciência de todos os pensamentos negativos que estava tendo, eu pedi para ele fazer outra lista supondo que tudo daria certo.

A nova lista ficou assim:

  • E se eu aplicar para o novo cargo, e for aceito?
  • E se eu me der super bem no novo cargo?
  • E se eu conseguir me organizar para fazer tudo o que preciso?
  • E se eu tiver ajudantes eficientes, que facilitem o meu trabalho?
  • E se eu me surpreender comigo mesmo?
  • E se a minha capacidade for muito além do que eu imagino?
  • E se eu conseguir me manter equilibrado emocionalmente?
  • E se essa promoção me trouxer muitas surpresas agradáveis?
  • E se o Universo estiver conspirando ao meu favor?
  • E se, no final, tudo der certo?

Que mudança! Esse exercício é muito simples, mas muito poderoso! Ele transforma nossa energia rapidamente. Com uma energia mais positiva, ficamos mais leves de corpo e alma e abrimos espaço para a criatividade fluir e para encontrarmos soluções para nossos problemas. É possível sentirmos a tensão amenizando no nosso corpo no momento em que mudamos nosso foco.

A verdade é que temos a tendência de fazer suposições negativas – como no “Velcro para a negatividade” – sem nem sabermos qual vai ser o resultado final da questão.

Se não sabemos com certeza se vamos “falhar” ou se vai dar “tudo errado” – e é impossível sabermos com segurança – qual é a vantagem de antecipar ou sofrer por algo negativo que pode nem mesmo vir a acontecer? Você já percebeu que a maioria das nossas expectativas e previsões negativas nunca acontece?

Da próxima vez que você estiver preocupado com algo, identifique os seus pensamentos negativos, como foi feito no caso acima, e transforme-os para possibilidades positivas – E se, no final, tudo der certo?!   

Assim você vai agir em direção aos seus objetivos com mais confiança e otimismo, e terá mais chances de alcançar o que deseja.

Aguardo seus comentários!

 

PROMOVENDO O BEM-ESTAR POSITIVO!

PROMOVENDO O BEM-ESTAR POSITIVO!

Pesquisas na área de stress apontam que falta de força de vontade é o maior obstáculo à mudança.

Contamos com a nossa força de vontade para fazer exercícios físicos, dieta, economizar dinheiro, parar de fumar ou beber, superar a procrastinação e, finalmente, realizar nossas metas. Ela afeta todas as áreas da nossa vida.

A maioria das pessoas tem um senso intuitivo do que é a força de vontade, mas muitas não têm o conhecimento científico que podemos utilizá-la a nosso favor. Dizem que o conhecimento é poder, neste caso o conhecimento é força de vontade.

Existem várias definições para descrever a força de vontade, algumas das mais comuns são: determinação, autodisciplina, autocontrole, autorregulação. Podemos dizer que força de vontade é a capacidade de resistir às tentações e desejos de curto prazo, a fim de alcançar metas de longo prazo.

De acordo com APA (American Psychological Association) a maioria dos pesquisadores definem a força de vontade como:

  • A capacidade de retardar a gratificação, resistir às tentações de curto prazo, a fim de cumprir metas de longo prazo.
  • A capacidade de substituir um pensamento indesejado, sentimento ou impulso.

Estudos apontam que a pessoa com maior força de vontade é:

  • Mais feliz
  • Mais saudável
  • Mais satisfeita em suas relações
  • Mais capaz de gerenciar o stress, lidar com o conflito e superar a adversidade.

Kelly McGonigal psicólogo da saúde, conferencista na Universidade de Stanford e autor de “The Willpower Instinct” afirma que: “dizer não” é apenas uma parte do que é a força de vontade.

A outra parte da força de vontade é o “dizer sim” às coisas que você sabe que irão levá-lo mais perto de seus objetivos.

É a capacidade de fazer o que você precisa fazer, mesmo que você não sinta vontade, ou uma parte de você não queira seguir adiante. Ela chama isso de “Eu vou poder”. No entanto, para nos capacitar a dizer não ao que nos desvia de nossos objetivos e sim para o que nos leva na direção certa, precisamos lembrar o que realmente é a nossa meta.

Gostaríamos de ouvir de você, qual estratégia você tem mais probabilidade de começar a usar em sua vida para atingir as suas metas?

                                                                    Fonte: Site ”Positive Psychology Program” texto traduzido e adaptado por Gilda Palhares.