Coluna da Gilda

gilda_300x200Gilda Palhares  é graduada pela PUC-RJ em Comunicação Social e pós-graduada em Psicologia Positiva e Integração com Coaching pela Psi+ e AVM Faculdade Integrada e em Administração Empresarial pela UFF. Carreira desenvolvida durante 20 anos, na VARIG, atuando na área de RH em Educação Desenvolvimento. Especialista em desenvolver e ministrar programas de treinamentos comportamentais desde 2004 atua como consultora na Eduvir Consutoria.
A

Posts mais recentes


A Sessão Vai Começar – A Busca do Chef Ducasse

O festival Varilux do Cinema Francês 2018 foi realizado no Rio de Janeiro entre os dias 7 e 20 de junho. Nesse período, foi exibida uma variedade de gêneros, como drama, comédia, suspense, terror, animação, ficção científica e documentário. Tive a oportunidade de ver vários filmes dessa mostra e escolhi o documentário A Busca do Chef Ducasse (La Quête d’Alain Ducasse), dirigido por Gilles Maistre, para conversarmos. Através da câmera do diretor, esse documentário nos leva a uma deliciosa viagem ao redor do mundo. O filme parte da construção do mais novo empreendimento do chef Ducasse, em Versalhes (França), percorre seus 23 restaurantes em vários países, passa pela escola de culinária Ducasse Institute Philippines, em Manila (capital das Filipinas), e inclui uma visita aos seus inúmeros fornecedores internacionais, inclusive um deles no Brasil. No estado da Bahia, o chef acompanha o processo de colheita do cacau e, no Rio de Janeiro, o projeto o Refeittorio Gastromotiva, restaurante comunitário que reaproveita alimentos que seriam descartados nos supermercados. No Gastromotiva, inclusive, Ducasse cozinhou com o consagrado chefe italiano Massimo Bottura. Nessa jornada gastronômica o meu olhar focou no seguinte tema: Liderança Transformadora. Ao longo do documentário, Alain Ducasse demonstra, através de exemplos reais, a importância de explicitar o propósito e o significado do seu trabalho, que é o de inspirar e engajar as pessoas. Com 23 restaurantes em vários lugares do mundo, observamos nitidamente a autonomia que Ducasse dá aos seus chefs, ou seja, ele usa uma das mais importantes ferramentas motivacionais de liderança que é delegar. Na verdade, quando se delega, a responsabilidade é toda do líder. Porém, ele deverá...

A Sessão Vai Começar – Gringo

Este mês, como em todos os anteriores, vi vários filmes. Nas nossas  sessões,meu olhar estava sempre voltado para algum tema que observo e que possamos conversar. Mas, desta vez, fiquei em dúvida sobre a escolha do filme em questão e se iria abordar o assunto que ele me fez refletir. Então, depois de ver outros filmes conclui que deveria levar adiante a reflexão que vou abordar. O filme escolhido foi Gringo, comédia sombria que explora a batalha pela sobrevivência de Harold Soyinka (David Oyelowo), um supervisor de Operações de uma empresa farmacêutica chamada Promethium. Harold fica sabendo de uma fusão de sua companhia que pode colocar sua carreira em risco e, ao mesmo tempo, descobre que seu amigo Richard (Joel Edgerton), o presidente da empresa, não iria lhe contar nada sobre essa operação. Richard se une à vice-presidente da corporação, Elaine (Charlize Theron), uma executiva que age sem escrúpulos para obter ganhos na carreira, numa série de negócios escusos na fábrica da Promethium no México. A dupla estava desviando dinheiro da corporação para um cartel de drogas mexicano. Ao surgir um parceiro para a fusão, seria necessário interromper essa atividade ilícita. Então, enviaram Harold àquele país, já que ele era o gestor da fábrica, para colocar a contabilidade em ordem. Durante a viagem, Harold descobre que está prestes a perder o emprego e a esposa para um amante, que é Richard, seu amigo. Pessoalmente e profissionalmente humilhado, e sem nada a perder, Harold encena seu próprio sequestro, a fim de enganar os patrões e receber US$ 5 milhões do seguro da empresa. Harold se vê cruzando a linha do...

A Sessão Vai Começar – Um Lugar Silencioso

Em março em vez da nossa sessão mensal, celebramos o Dia Internacional da Mulher apresentando o estudo da Dra. Barbara Fredrikson, da Universidade da Carolina do Norte – EUA sobre a Positividade e as Emoções Positivas. Este mês estou de volta com o tema Comunicação que já abordei em fevereiro sobre a ótica do poder da comunicação não–verbal através do filme “A Forma da Água” que aliás ganhou o Oscar de melhor filme e direção. E escolhi o filme “Um Lugar Silencioso” que se tornou um sucesso de bilheteria nos Estados Unidos desde seu lançamento em princípio de abril. É um filme de suspense e terror sobre uma família forçada a viver em silêncio absoluto para que não sejam devorados por criaturas alienígenas com a audição sobrenaturalmente aguda. Os monstros se guiam apenas pela audição. O expectador passa a conviver neste mundo onde os seres humanos são obrigados a serem “mudos“ sempre prestando atenção em qualquer ruído e as criaturas que utilizam somente um dos cinco sentindos que é o Ouvir. Como já tinha abordado a questão da comunicação não–verbal o meu olhar com este filme foi para o tema da habilidade de ouvir.  Ouvir é a habilidade mais negligenciada na comunicação. Saber ouvir exige quase sempre esforço reeducativo, pois somos muito mais condicionados a falar e só ouvir o que julgamos ser do nosso interesse. É fundamental “saber ouvir” para poder “saber falar”. Quando ouvimos atentamente uma pessoa, estamos na verdade escutando duas partes distintas de sua mensagem: Em primeiro lugar: estamos prestando atenção nas palavras, isto é, no conteúdo da mensagem. Em segundo lugar: estamos prestando atenção no...