05 abr, 2021

Por Márcia Cardoso

Lifelong Learning: aprendendo a conhecer

Anteriormente, em Lifelong Learning: você sabe o que é? , trouxe o significado de lifelong learning e sua importância para os dias atuais. Nesse e nos próximos artigos mostrarei que o aprendizado ao longo da vida é colocado em prática por meio de quatro pilares: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser.

Aprender a conhecer é o processo que busca a conquista dos saberes. É mais que dominar um conteúdo, é o prazer em compreender, construir e reconstruir o conhecimento. É aqui que estimulamos o senso crítico, a capacidade de reflexão e posicionamento dos mais diversos assuntos.

Importante reforçar que conhecimento não é aprendizado. O primeiro significa ter acesso a informação enquanto que o segundo coloca essa informação em prática. Assim, conhecimento e aprendizado devem caminhar juntos, pois o entendimento antecipado é tão importante quanto o ato de colocar a “mão na massa”.

Mas como aprender a conhecer? Cabe a você descobrir a melhor estratégia para obter o novo, o desconhecido. Reflita sobre os seguintes pontos:

. O que já sei?

. Como aprendi isso?

. Como aprender o que ainda não sei?

A partir das respostas acima, assumimos a parte ativa na gestão da própria aprendizagem, passamos a ser protagonistas na busca de novos conhecimentos.

De posse dessa autonomia, seguem premissas que ajudarão no processo de aprender a conhecer:

Mude sua visão de aprendizado. Nada de decorar opiniões alheias ou trechos de livros. Aprender é pensar e não reproduzir um pensamento. É mudar de atitude diante de uma descoberta. Só aprendemos quando conseguimos aplicar o conhecimento.

Busque novas formas. Você pode aprender sobre qualquer assunto em qualquer lugar, seja na sala de aula, na empresa, em casa (montando ou consertando algo) ou até mesmo assistindo um filme. Aventure-se, você vai se surpreender!

Compartilhe, ensine. Ao propor ensinar alguém, você se empenha a compreender melhor aquilo que precisa ser compartilhado. Em troca, recebe mais conhecimento também.

Descubra seu momento produtivo. Seja de manhã, de tarde ou de noite, teste e perceba em que momento do dia o seu cérebro responde melhor.

Aprimore sua concentração.  A falta disso prejudica o aprendizado. Alimente-se bem, organize-se, elimine distrações, busque técnicas de mindfulness, pratique meditação.

Peça ajuda. Ter alguém ao lado motiva a aprender, a absorver melhor e a discutir o assunto também, possibilitando novas descobertas.

Há diversas formas de aprendizagens no mundo. Mais do que se pode imaginar.  Explore-as!

Finalizo esse artigo com a “metáfora da piscina” criada pelo Prof. Maurício Peixoto*:

“Nadar é como aprender. Você precisa aprender a nadar para poder beneficiar-se de um mergulho na piscina. O prazer de nadar e refrescar-se pressupõe seu domínio das técnicas de natação. Mas são duas coisas diferentes. Da mesma forma, conhecer um assunto é bom e te dá muitas vantagens. Mas para saber este assunto você precisa dominar as formas de aprendê-lo. Saber algo implica em aprender a conhecer, mas uma coisa não se confunde com a outra.”

Até a próxima!

 

* Prof. Mauricio A. P. Peixoto, laboratório de Currículo e Ensino Núcleo de Tecnologia para a Saúde (NUTES), Universidade Federal do Rio de Janeiro.